Parceria com agências outsourcing

Parceria com agências outsourcing

Terceirizar a parte de programação de sua agência, fazemos parcerias com agências e designers que viabilizam a sua idéia e criação.

Outsourcing é a terceirização de serviços de programação.  Sua empresa pode terceirizar uma tarefa pequena ou todo o departamento com segurança, produtividade e economia.

Você nos envia a arte e nós codificamos conforme os padrões atuais da web, dentro do prazo estabelecido, enquanto você acompanha remotamente:

SITES LANDING PAGE EMAIL MARKETING

Conte-nos sobre suas necessidades, desenvolvemos a solução sob medida para você.

 

 

 

 

Sistemas Web Aplicativos Mobile

Sistemas web são sistemas informatizados acessíveis através de um navegador ou de um aplicativo, via internet ou rede, capazes de processar informações em servidores para cumprir determinadas regras de negócio.

O QUE ELES PODEM FAZER:

Sistemas web moram na internet. Essa característica proporciona o desenvolvimento de recursos praticamente ilimitados, tornando cada vez mais ágil as decisões estratégicas que precisam ser tomadas em um negócio.

Trabalhar com uma ferramenta desenvolvida de acordo com as suas necessidades, permitirá que seu negócio conte com alto nível de adaptabilidade e agilidade, diferenciando-se da concorrência.

QUAIS SÃO AS VANTAGENS:

  • Podem ser acessados de qualquer lugar, de qualquer dispositivo e a qualquer hora via internet;
  • Não precisam necessariamente de instalação, pois podem ser acessados através de um navegador;
  • Não dependem de sistemas operacionais ou de uma infra-estrura local para o perfeito funcionamento;
  • Dados ficam protegidos em um servidor remoto;
  • Baixo investimento em sistemas de segurança e backups.
  • Aplicativos Mobile

Conte-nos sobre suas necessidades, desenvolvemos a solução sob medida para você.

Sistemas Web Aplicativos Mobile

Lojas Virtuais e-commerce

Loja Virtual e-commerce

Desenvolvimento de lojas virtuais na medida certa para o seu negócio.Excelente para comerciantes e lojistas que pretendam expandir seus negócios, exibindo suas vitrines também no ambiente online.

Apresente e disponibilize online para vendas seus produtos e serviços com uma estrutura enxuta.

Lojas Virtuais

Características e Recursos

  • Estrutura da loja com url amigável;
  • Layout responsivo;
  • Controle e gerenciamento de estoque;
  • Módulo de pagamento PagSeguro, PayPal, Cielo.
  • Módulo de cálculo de frete dos Correios.
  • Formulário de contato;
  • Carrinho de compras;
  • Confirmação da ordem de compra por e-mail;
  • Incorporação de vídeos na loja;
  • Pesquisa de produtos;
  • Sem mensalidade, a loja é sua;
  • Google analitycs instalado;
  • Otimizada para buscas;
  • 24 horas no ar.

Confira o que diz o Sebrae

Aviso: Antes de conhecer este negócio, vale ressaltar que os tópicos a seguir não fazem parte de um Plano de Negócios e sim do ambiente no qual este negócio está inserido. O objetivo dos tópicos é dar uma visão geral de como um negócio se posiciona no mercado e contribuir para responder as perguntas como: quais as variáveis que mais afetam este tipo de negócio? Como se comportam essas variáveis de mercado? Como levantar as informações necessárias para tomar a decisão de empreender neste segmento? Para saber como elaborar um Plano de Negócios, procure a Unidade do Sebrae mais próxima ou acesse o documento “Como elaborar um plano de negócios” no link: http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/5f6dba 19baaf17a98b4763d4327bfb6c/$File/2021.pdf

Uma loja virtual é um site que permite a venda através da Internet. Também conhecida como comércio eletrônico, é uma ótima maneira de divulgar seus produtos ou serviços na internet. A loja virtual, apesar de não ter presença física nem do comprador, nem do vendedor; já que a relação ocorre entre um comprador e um sistema hospedado em um computador, exige a mesma logística de estoque e entrega que as lojas físicas e também possui regras próprias que devem ser consideradas para este canal de venda.

O conceito de loja virtual pode ser definido, de forma simplificada, como um site na Internet onde as empresas expõem e vendem seus produtos ou serviços. Os clientes acessam o site de qualquer lugar, em qualquer horário, escolhem os produtos ou serviços, pagam através do sistema de pagamento que a loja virtual oferece e recebem estes produtos no local designado no ato da compra. Exceções são feitas para os empreendimentos no qual a loja virtual é criada como complemento à loja física, permitindo muitas vezes a compra pela internet e a retirada do produto na loja física.

Veja a matéria na integra clicando aqui

Manutenção de Sites

Manutenção de Sites

Você tem um site que precisa de algum ajuste ou atualização?
Deixe nossa equipe ajudar a corrigir ou manter o seu site já existente. Serviços como publicação ou alteração de conteúdo, substituição de imagens, criação de formulários.
Tudo feito de forma rápida e profissional.Oferecemos as opções para manutenção de sites:

  • Manutenção de site avulsa;
  • Plano de manutenção de site mensal.

Criação de Sites portais landing page sites institucionais site pessoal blog

Criação de Sites portais landing page sites institucionais site pessoal blog

Criação de sites responsivos que se adaptam a qualquer dispositivo e que irão envolver seus clientes e espectadores. A GAOE desenvolve sites de acordo com as recomendações de qualidade do Google, maximizando sua exposição on-line e melhor classificando seus produtos e serviços nas buscas orgânicas.

NOSSOS DIFERENCIAIS

  • Sites compatíveis com celulares e tablets;
  • Sites otimizados para buscadores e usuários;
  • Sem mensalidades, o site é seu!;
  • Agilidade no atendimento;
  • Google analitycs instalado.

PORQUE TER UM SITE?

  • Maior credibilidade para o seu negócio;
  • Você sempre estará visível para os clientes;
  • Publicidade de baixo custo;
  • Consciência da marca.
  • Alcance de novos clientes

Zelda Director : Speedruns, Shrine Ignora “Tudo de acordo com o Plano”

Os jogadores tiraram um monte de acrobacias incríveis em Breath of the Wild, de completar todo o jogo em apenas algumas horas para encontrar maneiras de vencer santuários longos com saudades de física rápidas e fáceis.

Depois de trabalhar em um jogo tão gigantesco e meticulosamente projetado, pedimos ao produtor da série Eiji Aonuma e ao diretor de jogos Hidemaro Fujibayashi como se sentem vendo as pessoas encontrarem atalhos e soluções alternativas.

“Esse foi definitivamente um dos nossos objetivos. Isso é totalmente tudo de acordo com o plano “, disse Fujibayashi à IGN. “Um grande tema deste jogo era que deveria haver respostas múltiplas, métodos múltiplos, formas múltiplas de fazer qualquer coisa. Todas as masmorras, queríamos fazê-lo para que os jogadores pudessem resolver problemas de qualquer maneira que quisessem, sem que pudéssemos saber o que fariam para resolvê-lo “.

Com tanta liberdade e tantas soluções potenciais, pedimos a Aonuma se suas experiências assistindo vídeos de Breath of the Wild tiveram impacto em seus futuros jogos Zelda, ou se ele preferisse retornar a um design mais linear.

“Você sabe, eu não posso falar sobre o que outras pessoas, outras empresas vão fazer em seus próprios jogos, mas acho que para mim, especialmente apenas em termos da série Zelda, a incrível liberdade que este jogo te oferece e o quão bem isso é Recebi … para mim, isso significa que a liberdade, esse nível de liberdade é algo que precisa ser mantido nos jogos da Zelda no futuro. Meus olhos foram abertos para o quão importante isso é “, disse Aonuma.

Nós construímos uma máquina de vôo louco em Zelda: Respiração da natureza
compartilhar
1:13

“Então, uma das coisas que definitivamente consideramos é que sempre quisemos garantir que o jogador possa entender quais são seus desafios ou o que é o seu obstáculo. Nós sempre quisemos garantir que o desafio possa ser desafiado. Então, sempre quisemos fazer uma maneira linear de [vencer] um obstáculo “.

Esse nível de liberdade é algo que precisa ser mantido nos jogos da Zelda no futuro.

“Por exemplo, se houver,” você não pode fazer isso porque você não tem as ferramentas certas “ou” você não cumpre os requisitos certos “, os jogadores não vão querer mais fazer isso. Então, nós queríamos incorporar isso demais “.

“Avançando, acho que definitivamente consideramos essa maneira de pensar quando criamos algo no futuro”, acrescentou.

Para mais de nossa entrevista com Aonuma e Fujibayashi, leia sobre porque você não pode acariciar os cachorros em Breath of the Wild.

Nós também descobrimos como Breath of the Wild’s Double Double Hookshots teve Link swinging “como Spider-Man” e que a Fujibayashi já tem “muitas idéias” para o novo conteúdo Zelda.

Além disso, veja o que os desenvolvedores de Super Mario Odyssey e Zelda: Breath of the Wild pensaram nos jogos uns dos outros.

Snap informando que está desenvolvendo o recurso ‘Stories Everywhere’ para compartilhar conteúdo além do Snapchat

Snap informando que está desenvolvendo o recurso ‘Stories Everywhere’ para compartilhar conteúdo além do Snapchat

Snap está trabalhando em um novo recurso que permitirá aos usuários compartilhar histórias fora do aplicativo Snapchat, de acordo com um relatório da rede de notícias em tempo real Cheddar.
O recurso, chamado de “Stories Everywhere”, é projetado para aumentar a presença da Snapchat além do principal aplicativo móvel à medida que a concorrência com o Facebook e o Instagram se aquecem.
Desde que foi público em fevereiro, a Snap teve que lidar com o crescimento estagnado dos usuários e a queda da receita, e a empresa sofreu um terceiro trimestre abismal este ano, pois números decepcionantes em ambos os departamentos enviaram ações para um mergulho. Isso se deve a uma série de fatores, incluindo a capacidade do Facebook de replicar os recursos principais do Snap e colocá-los em produtos mais populares e acessíveis, como o Instagram.

A Snap comprometeu-se a tornar a Snapchat mais fácil de usar, começando com um redesenho agora implementado, mas disponível apenas para uma pequena porcentagem de usuários. Parte do redesenho inclui um feed de descobertas mais focado, onde os usuários da Snapchat podem obter notícias e entretenimento de impressão profissional, TV e pontos de venda online. Ainda não está claro o quanto a revisão irá afetar o crescimento do usuário, mas parece que a Snap agora está colocando recursos para aumentar a presença de seus conteúdos gerados por usuários e criados profissionalmente no ecossistema web mais amplo.

Cheddar relata que o ex-CEO da Storyful, Rahul Chopra, que também era executivo da News Corp, lidera o projeto “Stories Everywhere” no Snap, com foco no aumento do crescimento do usuário e tornando Snapchat um destino mais atraente para notícias, esportes e outros prémios Vídeo e conteúdo editorial. A idéia é que as histórias compartilhadas em sites de notícias e em outros lugares da internet podem levar mais pessoas para se inscreverem no aplicativo. Cheddar ressalta como o Twitter, em 2011, fez um movimento semelhante, permitindo que as pessoas incorporassem tweets fora da plataforma pela primeira vez.

A Apple enfrenta múltiplas ações judiciais após admitir desacelerar iPhones à medida que as baterias envelhecem

Os proprietários do iPhone não estão satisfeitos com a Apple, e eles estão avisando a empresa com ações judiciais. Cinco usuários do iPhone apresentaram uma ação judicial em Nova York ontem e estão buscando status de ação em classe na Apple, diminuindo intencionalmente seus telefones à medida que as baterias dos dispositivos envelhecem. USA Today primeiro relatou o processo, que segue outros arquivados na semana passada.

Esses proprietários de iPhone afirmam que todos eles atualizaram seus dispositivos para modelos mais novos, uma vez que seus telefones diminuíram a velocidade após atualizar para novas versões do iOS. O processo afirma se eles sabiam que suas baterias eram culpadas pela desaceleração, eles teriam substituído a bateria em vez de comprar um novo telefone. Processos anteriores fazem argumentos semelhantes.

Na semana passada, a Apple confirmou que retardou o iPhone 6, 6 Plus, 6S, 6S Plus e SE através de uma atualização de software. A empresa disse que esta característica “suaviza os picos instantâneos somente quando necessário para evitar que o dispositivo se desligue inesperadamente”. As baterias de iões de lítio, que são usadas em iPhones, “tornam-se menos capazes de fornecer demandas de corrente de pico quando em condições de frio, têm pouca carga de bateria ou envelhecem ao longo do tempo, o que pode resultar no desligamento inesperado do dispositivo para proteger sua componentes eletrônicos.” A atualização do software impediu que isso acontecesse.

Ainda assim, os proprietários de iPhone argumentam que a Apple deveria ter sido mais transparente sobre como trata e reconhece baterias envelhecidas. A empresa admitiu apenas que o recurso de desaceleração existia após usuários independentes do Reddit e dispositivos testados por blogueiros.

Wifi 10 dicas dicas para melhorar o sinal da sua rede

Wifi 10 dicas dicas para melhorar o sinal da sua rede.

Hoje em dia, Wifi é difícil imaginar um computador em casa sem acesso à rede via WiFi, pois a maioria das pessoas já prefere o uso de notebooks pela comodidade e praticidade. Outro fator importante são os smartphones: quem utiliza esses aparelhos sabe que não é possível confiar nas redes 3G o tempo todo, e a primeira oportunidade de pular para o WiFi é sempre bem-vinda.

O problema é que algumas vezes esse tipo de conexão pode apresentar problemas, seja por interferências de outros equipamentos, pelo mau posicionamento do roteador ou até mesmo pela baixa qualidade do aparelho. A seguir, vamos conhecer 10 dicas muito boas para resolver de vez todos os problemas que você possa ter com o WiFi.

1. Mantenha seus equipamentos atualizados

Assim como todos os equipamentos eletrônicos e tecnologias, o WiFi está em constante evolução, portanto, sempre que puder, você deve atualizar os seus aparelhos para garantir sempre mais velocidade e confiabilidade na transmissão de dados.

Existem vários padrões IEEE 802.11 para redes sem fio atualmente, como A, B, G, N e AC. Enquanto o padrão B transfere os dados com até 11 Mbps de velocidade, os padrões A e G conseguem transmitir informações em até 54 Mbps. O formato N consegue enviar e receber dados em até 600 Mbps, e o AC chegaria ao 1 Gbps.

Mantenha seus equipamentos atualizados

Para conseguir atingir velocidades maiores de transmissão, você precisa ter um roteador que seja capaz de transmitir no padrão AC e uma placa de rede compatível com esse formato — mas as mais comuns são limitadas ao padrão N. As placas de rede mais antigas podem ser substituídas com facilidade; já os roteadores precisam ser trocados por modelos mais novos.

2. Posicione o seu roteador no melhor lugar possível

Mesmo que o seu roteador não combine com a decoração de sua sala de estar, não é aconselhável que você o esconda atrás de algum móvel. É extremamente importante que ele fique posicionado em um local alto e completamente livre de obstáculos. Afinal de contas, ele é um transmissor de sinal e precisa de espaço.

O ideal é deixar o equipamento no local mais central de sua casa, assim você garante a melhor cobertura de sinal possível até nos cantos mais distantes. Outra dica importante é manter o aparelho em um lugar alto, como em cima de alguma prateleira, ou preso na parede mesmo.

Algo que muitas pessoas fazem ao perceber que o sinal está fraco é posicionar as antenas do roteador em direção ao local em que você está. Isso é completamente errado, afinal de contas, o roteador não é uma antena de TV. Portanto, para garantir a qualidade do sinal, deixe sempre as antenas do aparelho apontadas para cima.

3. Procure um canal de transmissão que esteja liberado

Os roteadores transmitem ondas de rádio e, para que o sinal possa trafegar sem problemas, ele precisa de um canal de comunicação que não interfira em outros aparelhos. Como hoje em dia quase todo mundo possui um equipamento desses em casa, é normal que existam conflitos, principalmente se eles utilizarem o mesmo canal de transmissão.

Fuja de frequências congestionadas

Como descobrir qual o canal mais adequado para utilizar? Existe um programa para aparelhos Android muito eficiente chamado Wi-Fi Analyser que pode responder essa pergunta. Após descobrir qual dos canais está sendo menos utilizado, reprograme o seu roteador e aproveite o sinal de rede muito mais estável.

4. Livre-se de aparelhos que causam interferência

Além de outros roteadores próximos, existem diversos outros equipamentos que podem causar interferência em sua rede. Telefones sem fio e fornos de micro-ondas estão entre os principais responsáveis por isso. Vale lembrar que até mesmo a construção dos banheiros pode ser um obstáculo.

Para evitar esse problema, você pode adquirir aparelhos de telefone ou roteadores com frequências diferentes. Caso instalar novos equipamentos não seja uma opção, simplesmente posicioná-los longe um do outro pode resolver os problemas na maioria dos casos.

5. Aumente a segurança de sua rede e se livre dos ladrões de sinal

Mesmo que o seu roteador já tenha uma senha cadastrada, pode ser que ela seja muito simples e algum vizinho oportunista esteja roubando o sinal de sua rede, deixando-a lenta. A melhor maneira de evitar que esse tipo de coisa aconteça é escolher um padrão de segurança mais avançado, como o WPA.

A senha deve ser difícil, sempre misturando letras e números. Assim como todos os códigos de segurança, você deve mudá-lo frequentemente. Para evitar que outras pessoas identifiquem a sua rede e possam tentar “adivinhar” a senha, evite usar nomes que indiquem de onde é o sinal, como “WiFi do fulano”.

Segurança é primordial

Uma última medida, um pouco mais radical, é limitar o número de conexões ao seu roteador pelo endereço MAC da placa de rede. Funciona assim: o acesso ao equipamento fica completamente bloqueado, a não ser para o código MAC que você liberou, no caso, o seu notebook ou smartphone, por exemplo.

Essa é uma boa medida de segurança, mas pode ser um incômodo ter que adicionar o MAC de cada amigo seu que vá visitar a sua casa e precise utilizar a sua rede.

6. Controle aplicativos que sequestram toda a banda

Programas de download, como BitTorrent, jogos online ou streaming de vídeo, podem comprometer muito o sinal de sua rede WiFi. Se em sua casa várias pessoas compartilham a mesma rede, é possível que uma máquina esteja consumindo a maior parte da banda e limitando o uso para os outros computadores.

Para resolver esse problema, você pode utilizar uma ferramenta presente em quase todos os roteadores WiFi, que é o QoS (Quality of Service ou simplesmente Qualidade de Serviço). O que o QoS faz é priorizar a transferência dos dados por protocolos, ou seja, você pode colocar chamadas em vídeo na frente do Torrent  ou, se você quiser, pode bloquear completamente algum programa.

7. Aumente o sinal do seu WiFi com truques caseiros

Se nenhuma das alternativas anteriores funcionou, você pode tentar modificar a antena do seu notebook ou roteador. Existem diversas maneiras simples de amplificar o sinal de sua rede WiFi. Você pode simplesmente comprar uma antena mais nova e mais potente ou seguir esta dica do TecMundo e amplificar o sinal de sua rede utilizando uma forma de bolo. Nós já fizemos essa experiência e nos certificamos de que ela funciona mesmo.

Há muitos truques na manga

8. Aumente a intensidade do sinal de seu roteador hackeando o aparelho

Talvez hackear seja um termo exagerado, uma vez que você vai simplesmente reinstalar um novo firmware no roteador. O firmware é como se fosse o sistema operacional do equipamento, controlando todas as suas funções.

Existe uma configuração que costuma resolver muitos dos problemas de sinal, que é o aumento da potência das antenas. Infelizmente, poucos roteadores trazem essa opção de fábrica, pois ela pode danificar a máquina, já que a intensidade do sinal aumenta em troca da sobrecarga em alguns componentes. Se você já tentou de tudo e não obteve sucesso, por que não tentar essa modificação?

Existem firmwares modificados que podem transformar o seu equipamento antigo em uma verdadeira máquina cheia de recursos modernos, entre eles a possibilidade de amplificar o poder das antenas e outras modificações. Os mais conhecidos são o DD-WRT e o Open-WRT. Apesar de a instalação desses sistemas ser um pouco complicada, no final o processo acaba valendo a pena.

9. Transforme o seu antigo roteador em um repetidor de sinal

Se algum cômodo de sua casa não consegue receber sinal adequadamente, você pode colocar um roteador antigo no meio do caminho para amplificar o alcance da rede. Infelizmente, nem todos os roteadores trazem essa função de fábrica.

A boa notícia é que quase qualquer roteador comum pode ser um repetidor de sinal. Para fazer isso, você pode instalar o DD-WRT, como já foi mencionado anteriormente. Depois de modificar o aparelho, basta configurar o equipamento para que ele retransmita o sinal do primeiro roteador.

Aparelhos antigos podem ser úteis

10. Programe o seu roteador para que ele reinicie esporadicamente

Muitas vezes o roteador pode travar por causa do aquecimento. Para restaurar a “sanidade” do equipamento, você pode reiniciá-lo de tempos em tempos manualmente. Isso é outra vantagem de nosso amigo DD-WRT. Com ele, você pode mandar seu roteador reiniciar todas as noites, por exemplo.  Isso é muito prático se ele ficar em um local de difícil acesso.

Neutralidade de rede nos EUA pode impactar o Brasil

Fim da neutralidade de rede nos EUA pode impactar o Brasil. A decisão da Comissão Federal de Comunicações dos Estados Unidos (FCC, na sigla em inglês) de revogar a neutralidade de rede no país pode ter repercussões também no Brasil. Aprovada em 2015 pelo órgão durante a gestão de Barack Obama, a norma foi derrubada em votação ocorrida na quinta-feira (14) com aval de conselheiros indicados pelo Partido Republicano, seguindo diretriz da administração de Donald Trump.

A regra impedia provedoras de acesso à internet de tratar de forma discriminatória os dados que circulam em suas redes, de bloquear sites, de piorar ou retardar a conexões intencionalmente e de priorizar serviços e informações de parceiros.

Sem a neutralidade, as operadoras poderão adotar essas práticas, estando autorizadas, por exemplo, a vender pacotes diferenciados como no caso da TV por assinatura – um somente com e-mail, outro com redes sociais e vídeos e assim por diante.

No Brasil, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, manifestou-se por meio de sua conta no Twitter e lamentou a decisão. “A revogação da neutralidade da rede nos Estados Unidos fere um de seus princípios mais importantes: a liberdade de conexão. Ainda bem que no Brasil o Marco Civil da Internet nos protege de medidas dessa natureza”, diz o tuíte.

Flexibilização

Empresas de telecomunicações já discutem a flexibilização da neutralidade de rede no Brasil, garantida em na lei conhecida como Marco Civil da Internet. Em nota divulgada após a votação de quinta-feira nos EUA, o Sindicato Nacional de Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (Sinditelebrasil) defendeu a flexibilização das regras para garantir o que chamou de “neutralidade inteligente”.

“O setor de telecomunicações é a favor da neutralidade da rede aplicada de forma inteligente, permitindo às empresas gerenciar o tráfego nas suas redes com o objetivo de melhorar a qualidade e a experiência do usuário. Não deveria haver regra para interferir na gestão do tráfego das prestadoras de telecomunicações. Bastaria a lei reforçar que é assegurado aos interessados que o uso das redes se dê de forma não discriminatória, garantida pela fiscalização da agência reguladora”, propõe a entidade.

O Marco Civil da Internet elenca a neutralidade de rede como um de seus princípios e determina que o “responsável pela transmissão, comutação ou roteamento tem o dever de tratar de forma isonômica quaisquer pacotes de dados, sem distinção por conteúdo, origem e destino, serviço, terminal ou aplicação”.

A interferência no tráfego só é permitida em casos especiais, como a priorização de serviços de emergência ou se for um “requisito técnico indispensável” à prestação do serviço. O bloqueio de e-mails em massa (também conhecidos como spams) é um exemplo de gestão da circulação de dados na internet benéfico aos usuários. Mas a regulamentação do Marco Civil define de forma estrita as situações excepcionais em que isso pode ocorrer, como nos exemplos citados.

O Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações informou à Agência Brasil que o governo federal não pretende realizar qualquer mudança nas normas sobre a neutralidade de rede no país. “A lei no Brasil está em vigor e não há nenhuma movimentação para mudanças. O Marco Civil é uma conquista da sociedade brasileira e somos contra mudanças nessa legislação. Evoluções da tecnologia podem levar a mudanças na lei e aprimoramentos, mas não é esse o caso”.

Mudança difícil

Para especialistas e organizações da sociedade civil, não há relação entre a decisão da Comissão Federal de Comunicações dos Estados Unidos e o quadro brasileiro. Segundo a conselheira do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI Br) Flávia Lefèvre, as legislações dos dois países são bastante diferentes. Enquanto lá o acesso à internet é tratado como serviço de telecomunicações, aqui é considerado serviço de valor agregado, não cabendo sua regulação à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

A revogação teria de passar, portanto, por uma mudança no Marco Civil da Internet. Na avaliação de Rafael Zanatta, do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), diferentemente dos Estados Unidos, em que bastou a decisão da FCC, a aprovação de uma lei alterando o Marco Civil seria mais difícil. “Aqui o custo político é maior. Não é fácil mexer no Marco Civil, uma legislação de referência internacional e um texto construído democraticamente por um longo processo.”

Para além da dificuldade do processo, Flávia Lefèvre e Zanatta consideram que no mérito a revogação ou flexibilização seria um grande retrocesso. Se por um lado as empresas buscam isso para aumentar seus lucros e ganhar capacidade de vender pacotes diferenciados, por outro para os usuários tal cenário poderia trazer prejuízos.

“Se você quebra a neutralidade em um país com condições tão desiguais como é o caso do Brasil, em que só temos 50% dos domicílios conectados e a maioria pelo celular, a diferença pode se aprofundar com prejuízos claros para finalidades de inclusão digital e universalização do acesso à internet, objetivos previstos em lei e que devem, portanto, ser respeitados”, alerta a conselheira do CGI Br.

Impacto no tráfego

Ainda é incerto se as novas regras norte-americanas para a internet terão consequências no tráfego de dados dos usuários brasileiros. Sendo a internet uma “rede de redes”, muitas vezes o acesso a um site ou conteúdo (como um e-mail ou um vídeo) se dá em provedores de conteúdo com servidores nos Estados Unidos.

Contudo, especialistas do Comitê Gestor da Internet no Brasil consultados pela Agência Brasil afirmaram que práticas de interferência no tráfego nos EUA não devem afetar os internautas aqui. Em primeiro lugar, pelo fato de as operadoras que entregam esses dados ao usuário final terem que respeitar a neutralidade de rede. Em segundo lugar, porque muitas plataformas e sites, como é o caso do Netflix, mantêm seus conteúdos em servidores no Brasil, evitando que um dado enviado ou recebido tenha que circular pelas redes.